O Canto do Galo – Décima quarta parte

Canto do Galo

Enfim, estamos aqui, após um longo final de semana. E o galo pouco manifestou-se. Julgo que esteja encarangado. Não quiz cantar para a platéia de um homem só. Ou vai ver, está com saudades do seu galinheiro! Deve ser isso! Tu já te pegou cantando alegremente em um dia triste de saudades? Simplesmente não dá! Mas e o galo? Vive esperando, talvez a oportunidade de voltar a seu reduto empenado. Tem mais, ele é o único a manifestar-se neste bairro. Tenho que admitir. Não é fácil cantar, e não ser corespondido. Onde quer que seja, quando há galo, existe vizinho galo. E ele canta! Um canta lá, o outro responde ali. E assim, eles vão se comunicando entre seus territórios. Mas aqui há um problema. Só têm um território. Só um galo. Vai ver, magoou por não ser correspondido. Ficou sem ação. Deve pensar: canto, e canto, e ninguém me responde! Ainda bem que está fazendo frio. Pelo menos, ele fica resguardado. Talvez tenhamos que providenciar outro galo. Donde será que veio esse? Do mercado público? Ná! Acho que lá não se vendem mais galos. Talvez tenhamos a resposta em breve. Sigo no bico do galo. Aguardem mais notícias!  Veja: Décima quinta Parte

Uma resposta to “O Canto do Galo – Décima quarta parte”

  1. Jose Says:

    Seguires no bico do galo é ótimo!

Os comentários estão desativados.


%d blogueiros gostam disto: